• Natália P. de Castro

Conhecimentos básicos para a introdução alimentar de adultos muito seletivos - Hortaliças



Esse título, claro, é uma brincadeira/provocação. Usamos o termo "introdução alimentar" para nos referirmos à passagem do bebê do aleitamento materno exclusivo para o início da alimentação, processo que deve ter início aos 6 meses de idade. Ocorre que, atualmente, temos nos deparado com adultos e adolescentes que são muito seletivos quando se trata da alimentação. Durante a pandemia e a necessidade de uma maior autonomia em relação aos preparos culinários (ou talvez da total terceirização da própria alimentação - pelo uso repetitivo de aplicativos de entrega de comidas prontas ou compra de marmitas), essa situação tem se agravado. Portanto, hoje, lançaremos um desafio para oferecer a oportunidade para que vocês se abram a possibilidade de melhorar a alimentação, com dicas básicas e o melhor conselho de todos: "um passo de cada vez". Sim, não adianta querer montar um prato de salada com um monte de plantas alimentícias não convencionais (PANCs), as quais nunca ouvimos falar, nesse momento. O desafio é você saber se realmente gosta ou não de um determinado alimento e experimentar a combinação com outras coisas que podem funcionar para o seu paladar.


Começaremos pelas folhas:

  • Alface (vários tipos): talvez a folha mais conhecida das saladas. Consome-se crua e tem como principal característica seu sabor suave. Pode ser temperada com muitos molhos diferentes, à escolha do freguês, até com o clássico caldo de 1/2 limão para 1/4 de xícara de azeite, com sal e pimenta.



  • Almeirão: hortaliça de sabor amargo, que pode ser consumida crua, em saladas, ou refogada. Caso tenha interesse em experimentá-la crua, as folhas do almeirão podem ficar saborosas quando picadas e temperadas com alho, azeite, sal e pimenta. Vale, para que a salada não fique tão amarga, acrescentar a couve-manteiga cortada em fatias bem finas ou tomate fatiado. Refogado, o almeirão pode ser preparado com os mesmos ingredientes: azeite na panela já aquecida, acrescenta-se o alho até dourar e, em seguida, as folhas de almeirão.



  • Rúcula: sabor levemente picante, consumida crua. A rúcula tem um acompanhamento imbatível (pelo menos na minha opinião), que é o tomate seco. Quem nunca experimentou este sabor de pizza? Aliás, a pizza de rúcula com tomate seco é uma ótima opção para descobrir se você gosta de rúcula. Para quem gosta dos sabores mais agridoces, a rúcula pode ser preparada com figos ou damascos, nozes/castanhas e queijo parmesão.



  • Couve-manteiga: mais conhecida por acompanhar a feijoada, geralmente consumida na sua forma refogada, com um pouquinho de alho, as vezes até frita na gordura do bacon. O sabor da couve é mais suave que o da rúcula, portanto, ela não precisa ser muito incrementada para ficar gostosa não. Uma das receitas que mais temos visto com couve-manteiga ultimamente, é a sua preparação (cortada em fatias bem finas) na Air Fryer ou mesmo assada, com um fio de azeite e sal.



  • Espinafre: é possível comer o espinafre cru ou em preparações. Seu sabor é mais amargo, portanto, quando cru fica saboroso se temperado com suco de laranja (ou outro ácido para facilitar sua digestão), sal, azeite e parmesão, por exemplo. Também há quem goste de comê-lo com abacaxi (para os paladares mais agridoces). Mas o espinafre é versátil e fica gostoso também refogado, em tortas, acompanhando a ricota e conferindo um sabor mais característico à preparação e o creme de espinafre é, na minha opinião, um dos mais saborosos molhos dos filés de frango ou carne (preparação conhecida como à la boheme), embora também seja bastante calórico.



  • Acelga: folha com sabor suave e amarga. Quando crua ou refogada pode combinar com molho de soja, pimenta e gengibre. Funciona como wrap; cozida rapidamente só pra amolecer as folhas, que podem ser recheadas com frango ou carne moída, por exemplo, formando charutinhos. A acelga pode acompanhar frangos e outras preparações, sem perder a crocância e adquirindo sabor mais adocicado.


  • Repolho: cru é crocante, tem sabor característico e fica melhor cortado em fatias bem finas. Os americanos adoram repolho cru no seu formato coleslaw, que é uma salada de repolho ralado (verde e roxo) ou cortado em fatias bem finas, com cenoura, uvas passas, maionese, vinagre e sal - excelente acompanhamento de hambúrguer (no sanduíche mesmo). O repolho assado também é uma delícia, gratinado, com um toque de parmesão e sal, é um excelente acompanhamento de carnes e frangos.




Dica 1: nunca experimente a folha em um formato só. Caso não goste dela crua, tente refogada, assada, com temperos diferentes e com coisas que você já sabe que funcionam pro seu paladar. Persistência. Aqui os benefícios sempre superam os malefícios. Descobrir uma folha que você goste agora, mesmo quando adulto, pode mudar a sua alimentação ou, pelo menos, a tornar mais variada.


Dica 2: essa aqui é uma dica de ouro e é um investimento, embora de não tão alto custo assim (a salada grande custa em torno de R$22,00). Eu recomendo ir para aqueles lugares que vendem saladas e que é possível que você escolha os ingredientes. Geralmente são dadas as seguintes opções:

  • escolha de folhas entre variedades (alface americana, mix de alfaces, mix de folhas amargas) - geralmente é possível escolher 2 opções

  • escolha de 6 complementos diferentes entre muitas opções do cardápio (tomate seco, tomate, queijo cottage, queijo muçarela de búfala, milho, beterraba ralada, cenoura ralada, sardinha, atum, manga, abacaxi, frango desfiado, rosbife, ovo, brócolis)

  • escolha de 2 ingredientes crocantes (alho frito, banana frita, castanha do Brasil picada, amêndoas, chips de mandioca, damasco seco, gergelim)

  • escolha 2 molhos da sua preferência (mostarda e mel, pesto, limão, ceaser, ervas finas)

Geralmente, quando se está começando a criar o hábito de comer saladas, não se sabe muito bem como você a prefere. Portanto, a opção de escolher coisas individuais que você sabe que gosta e combinando com coisas que você nunca experimentou pode ser uma experiência muito positiva. Além disso, a aparência da salada fica incrível, com variedade de cores e ingredientes. Quando você já souber mais ou menos do que gosta e como gosta, pode comprar os ingredientes e deixá-los pré-preparados na geladeira (higienizados e separados da melhor forma possível . No dia, é só pegar um pouco de cada ingrediente para fazer a salada como quiser.





Sem dúvida, iniciar essa prática pode incrementar sobremaneira a sua alimentação. E não só a sua, mas a da família inteira.


Faremos outros textos com técnicas de preparações e sugestões para melhorar a introdução de certos alimentos, que geralmente fazem bem à saúde, à sua alimentação. Aguardem!



Últimos posts
Tags