• Clarissa T. H. Fujiwara

Raio-X do alimento: Salsão

O salsão (Apium graveolens L.) , conhecido também como aipo, consiste numa planta da família Apiaceae que são nativas de toda a Europa e das regiões tropicais e subtropicais do continente Africano e Asiático.


Curiosamente, o salsão necessita para o seu devido crescimento, de altos níveis de umidade, contudo requer temperatura mais baixas e, assim, para o melhor desenvolvimento e qualidade final, o salsão é cultivado sobretudo em regiões de clima mais frio e ameno.


E o que o salsão tem?

A tabela abaixo apresenta os valores nutricionais encontrados em 100g do salsão cru. Para referência, vale ressaltar que um salsão contendo 8 a 9 talos pesa aproximadamente 500g.

Com base na tabela de composição nutricional, pode-se observar que o salsão figura como um vegetal de baixo valor calórico e de baixa densidade energética (o alto teor de água chega a quase 94% do peso total), afinal, em 100 gramas do alimento, são encontradas somente 19 kcal. 


Devido também à presença das fibras alimentares, o salsão é um vegetal que apresenta baixo índice glicêmico (IG), ou seja, nos alimentos de baixo IG, após o consumo, não são observados picos de açúcar no sangue e a glicemia tende a subir lentamente. Adicionalmente, as fibras auxiliam na formação adequada do bolo fecal, melhorando queixas de constipação - e claro, sempre acompanhadas da boa hidratação por meio de água - além de contribuem também para a manutenção da microbiota intestinal saudável.



O potássio, também um dos seus componentes do salsão, é um eletrólito que atua nos processos de contração e relaxamento muscular, na regulação da pressão arterial e no equilíbrio do pH do sangue. Por outro lado, potássio em menor quantidade leva a fraqueza muscular e câimbras.


O salsão é fonte de vitamina K, sendo que a porção de 100g oferece cerca de 1/3 das recomendações diárias. A vitamina K tem como funções a regulação do processo de calcificação tecidual e, junto a outros nutrientes como o cálcio, mantêm a boa saúde óssea. Além disso, a vitamina desempenha importante função na coagulação sanguínea, prevenindo hemorragias.


Há também um nutriente presente no salsão, chamado molibdênio - e em 100g são encontradas cerca de 11% das necessidades do dia. O molibdênio é absorvido no estômago e intestino delgado e sendo estocado no organismo em quantidades mínimas. A deficiência nutricional de molibdênio embora não seja frequente, implica em alterações no sistema nervoso central e, atua como cofator para a ação de enzimas-chave do organismo de mamíferos, como aldeído oxidase, xantina oxidase, sulfito oxidase, envolvidas no metabolismo de purinas, aldeídos, pirimidinas e na oxidação do sulfito.


A vitamina C também está presente no salsão e consiste num reconhecido antioxidante - neutralizando a ação dos radicais livres - e atua no crescimento ósseo e do tecido conjuntivo, processo de cicatrização de tecidos e mantém a integridade dos vasos sanguíneos. A deficiência de vitamina C leva a condições como pequenos sangramentos, além de situações mais severas como o escorbuto.


Por sua vez, a apigenina é um flavonóide, especificamente uma flavona, presente no salsão e é encontrado em uma grande variedade de plantas, como na camomila~, salsa, espinafre, alcachofra e orégano, por exemplo. A apigenina pode apresentar atividade antioxidantes e reduzir o estresse oxidativo, além de exercer efeitos ansiolíiticos e sedativos quando consumido em altas doses. Alguns estudos acerca da apigenina concernem como um composto com ação protetora frente a cânceres. Acredita-se, embora sejam necessários mais estudos que a apigenina possa proteger o organismo a uma variedade de cânceres, com alta seletividade para induzir a apoptose seletiva de células cancerosas in vivo e estudos experimentais com animais sugerem que a apigenina exerce propriedades anti-mutagênicas.


E como consumir o salsão?

Crocante, leve e versátil de consumir, tanto os talos quanto as folhas do salsão podem fazer parte da alimentação. O salsão pode ser incorporado à alimentação, seja complementando saladas (como por exemplo, folhas cruas ou refogadas), servido na forma de crudités e acompanhados de dips (como molhos à base de iogurte e outros), misturado ao patê de atum ou frango, além de poder compor sopas, a base de caldos caseiros de legumes (como utilizados ara o preparo de risotos e outras receitas) e também no preparo de sucos vegetais (como o "suco verde").


Cabe colocar aqui que o salsão não deve ser mantido em temperatura ambiente por períodos prolongados por horas, especialmente sob temperaturas mais quentes, pois parte de seu conteúdo de água pode evaporar, deixando-o com consistência murcha rapidamente, dessa forma, é preferível mantê-lo sob refrigeração para preservar a crocância.



Referências

Kooti W, Daraei N. A Review of the Antioxidant Activity of Celery ( Apium graveolens L). J Evid Based Complementary Altern Med. 2017 Oct;22(4):1029-1034. doi: 10.1177/2156587217717415. Epub 2017 Jul 13. PMID: 28701046; PMCID: PMC5871295.


Li MY, Hou XL, Wang F, Tan GF, Xu ZS, Xiong AS. Advances in the research of celery, an important Apiaceae vegetable crop. Crit Rev Biotechnol. 2018 Mar;38(2):172-183. doi: 10.1080/07388551.2017.1312275. Epub 2017 Apr 20. PMID: 28423952.


Shankar E, Goel A, Gupta K, Gupta S. Plant flavone apigenin: An emerging anticancer agent. Curr Pharmacol Rep. 2017 Dec;3(6):423-446. doi: 10.1007/s40495-017-0113-2. Epub 2017 Oct 14. PMID: 29399439; PMCID: PMC5791748.


Posts recentes

Ver tudo
Últimos posts
Tags