• Kelly V. Giudici

O "efeito borboleta" da Nutrição



Muitos devem conhecer o termo "efeito borboleta", que já foi até tema de filmes. Trata-se da teoria de que o simples bater das asas de uma borboleta seria capaz de desencadear uma série de acontecimentos que poderiam culminar na formação de um tufão do outro lado do mundo. Pode parecer exagero, mas é fato que toda ação tem uma reação, e muitas vezes ela é bem menos óbvia do que se pode imaginar.

Tudo interage o tempo todo, e sofremos influências constantes não só por parte de quem nos deixamos influenciar, como também de pessoas, substâncias, situações e acontecimentos que fogem ao nosso controle e percepção. Na Nutrição, não seria diferente.

Reunimos aqui alguns exemplos de como a alimentação é capaz de influenciar muito mais do que os ponteiros da balança, por décadas e até mesmo por gerações! Sim, a Nutrição modula quem você é desde:

...quando a sua avó estava grávida da sua mãe

O que a sua avó comeu quando estava grávida da sua mãe afeta como os seus genes se comportam hoje. Sim, e os mecanismos envolvidos com esta relação vêm sendo cada vez mais estudados no meio científico. Pense só: sabemos que as células que se tornarão os óvulos de cada mulher se originam quando ela ainda está dentro do útero de sua mãe, e ficam armazenadas em seus ovários durante toda a vida até amadurecerem (uma a cada ciclo menstrual). Isso quer dizer que os nutrientes que a sua avó ingeriu foram usados para produzir o óvulo que um dia veio a se tornar você! Estas células existem desde aquele momento, e sofreram a influência da alimentação (e de outros fatores) durante toda a gestação da sua avó e de toda a vida da sua mãe.



...quando o seu pai e sua mãe ainda não tinham te concebido

Mas não é somente a vida pré-maternidade da sua mãe que começou a "programar" quem você seria. Hoje já está claro também que condições de saúde moduladas pela alimentação e por outros fatores de estilo de vida (como tabagismo, stress e prática de atividade física) de pais antes da concepção estão associados com diversos desfechos relacionados à saúde do filho, com consequências desde a sua infância até a vida adulta. Sim, a alimentação do pai também importa! Apesar de ser menos óbvio, toda a alimentação e fatores de estilo de vida do homem influenciam na qualidade e características do espermatozoide que ele irá produzir.

...quando você estava na barriga da sua mãe


Como você já pode imaginar, a dieta da mãe antes de engravidar e, principalmente, durante a gestação e amamentação influencia muito mais do que o desenvolvimento corporal dos filhos. Estudos mostram que a dieta materna influencia o risco para o desenvolvimento de uma série de doenças crônicas (como diabetes, hipertensão e câncer), aspectos relacionados ao sistema imunológico e até mesmo ao paladar! Sim, a preferência por certos sabores na infância e vida adulta remete em parte ao que sua mãe consumia quando estava à sua espera e enquanto amamentava. A aceitação de alimentos amargos é um exemplo disto. Para saber mais sobre programação fetal e como ela começou a ser estudada, confira estas publicações: parte 1 e parte 2.

...quando você tinha menos de 2 anos A alimentação nos primeiros 1000 dias de vida é sabidamente um forte determinante dos riscos para o desenvolvimento de doenças crônicas na vida adulta. Este período compreende, em linhas gerais, desde a fecundação até os 2 anos de idade. Prejuízos alimentares nesta fase acarretam consequências que muitas vezes não poderão ser corrigidas depois, mesmo que a alimentação passe a ser adequada.

...sempre


Tudo o que você come a cada dia modula a população de bactérias que vive em você, e que por sua vez controlam diversas atividades do seu cérebro e do seu metabolismo. Ou seja, além da ação direta dos nutrientes no seu corpo, há também uma cascata de ações metabólicas liderada pela sua microbiota, e que depende fortemente de como você compõe a sua dieta. Ficou curioso(a) sobre o tema? Acesse os links para conferir mais sobre o papel da microbiota na nossa saúde, sobre como ela está relacionada com o risco para o desenvolvimento de doenças crônicas e o que você pode fazer para manter uma microbiota saudável.



Sim, a Nutrição de nossos antepassados e dos microorganismos que habitam nosso corpo impactam fortemente quem somos hoje. Não podemos mudar a alimentação e estilo de vida que nossos pais e avós tiveram décadas atrás, nem a nossa própria até os 2 anos de idade, mas podemos fazê-lo hoje e a cada dia que temos pela frente, o que é capaz de alterar a expressão dos nossos genes e fazer grandes mudanças em nossa saúde! Lembrando que cuidando da sua própria alimentação, você está modulando os tipos de bactérias que habitam o seu corpo, e também contribuindo para a saúde das suas gerações futuras!


Referências


Barker DJP. Mothers, Babies, and Disease in Later Life. BMJ Publishing Group: 1994. 180p.


Beauchamp GK, Mennella JA. Flavor perception in human infants: development and functional significance. Digestion. 2011;83 Suppl 1(Suppl 1):1-6.


Cominetti C, Rogero MM, Horst MA. (Org.). Genômica nutricional: dos fundamentos à nutrição molecular. 1a ed. Barueri: Editora Manole, 2016, 552 p.


Eberle C, Kirchner MF, Herden R, Stichling S. Paternal metabolic and cardiovascular programming of their offspring: A systematic scoping review. PLoS One. 2020 Dec 31;15(12):e0244826.


Gadecka A, Bielak-Zmijewska A. Slowing Down Ageing: The Role of Nutrients and Microbiota in Modulation of the Epigenome. Nutrients. 2019 Jun 1;11(6).


Ramaiyan B, Bettadahalli S, Talahalli RR. Dietary omega-3 but not omega-6 fatty acids down-regulate maternal dyslipidemia induced oxidative stress: A three generation study in rats. Biochem Biophys Res Commun. 2016 Sep 2;477(4):887-894.


Ratsika A, Codagnone MC, O'Mahony S, Stanton C, Cryan JF. Priming for Life: Early Life Nutrition and the Microbiota-Gut-Brain Axis. Nutrients. 2021 Jan 28;13(2):423.


Silva LBAR, Castro NP, Novaes GM, Laiber GFL Pascoal, Ong TP. Bioactive food compounds, epigenetics and chronic disease prevention: Focus on early-life interventions with polyphenols. Food Res Int. 2019 Nov;125:108646.


Últimos posts
Tags